A vegetação e o clima do planeta

10/06/2004

Tamanho da fonte: Diminuir Fonte  Aumentar Fonte

Sônia Corina Hess*
 

A quantidade de água disponível é o fator ambiental mais importante atuando sobre a distribuição da vegetação em nosso planeta, sendo que quanto maior disponibilidade de água, maiores as possibilidades da vegetação se desenvolver. Por outro lado, a influência da vegetação sobre a distribuição da água no planeta é fundamental, o que muitas pessoas não se dão conta. As plantas têm influência direta sobre a distribuição das chuvas, umidade do solo, e volume dos rios.

 
Quando a chuva cai em uma mata ela escoa lentamente pelos troncos e folhas das árvores e alcança o solo de forma suavizada, sendo em grande parte evaporada ou absorvida antes de chegar ao chão. A camada de matéria orgânica que recobre a superfície do solo funciona como uma esponja, retendo grande parte da água que cai das plantas. Compare o comportamento da água da chuva quando cai sobre uma calçada, sobre a grama e sobre as árvores. Observe e perceba as diferenças!
 
Em uma floresta tropical úmida, como a Floresta Amazônica, em cada acre de floresta há centenas de árvores, cada uma tendo milhões de folhas. Setenta e cinco por cento de toda a água que evapora da floresta (quantidade entre 4000 a 6000 toneladas de água por hectare de floresta ao dia) é produzida pela transpiração das folhas. Esta transpiração faz aumentar a umidade do ar, causando chuva. Graças a este processo, grande parte das chuvas e da elevada umidade que as florestas tropicais úmidas necessitam para sobreviver são criadas pela própria floresta! Se grandes áreas de florestas tropicais são cortadas, menos água evapora naquela área, chove menos, e a floresta não pode reaparecer. Cria-se uma nova comunidade vegetal, adaptada à menor umidade, e que por sua vez tem menor capacidade de reciclar a água que cai com as chuvas.
 
O desmatamento também reduz a capacidade do terreno de reter água. Quando esta escorre muito rápida, arrasta a camada superficial do solo, onde havia a comunidade de seres vivos que lhe conferiam fertilidade. Ocorre aceleração do processo de erosão e concomitante perda de fertilidade do solo, que caracterizam o início da desertificação. Os materiais arrastados com a água vão se acumular no fundo de rios, lagos e fontes ocasionando o seu assoreamento (obstrução, por areia ou por sedimentos quaisquer, geralmente em conseqüência de redução da correnteza).
 
É importante ressaltar que a capacidade das plantas de reter água e de restituí-la à atmosfera condiciona o regime hídrico em escala regional e também global. Em um ano, a quantidade de água que passa das plantas à atmosfera, através da transpiração, é quase o dobro da quantidade de toda a água que chega com os rios aos oceanos. A água que evapora dos oceanos é a principal fonte das precipitações que ocorrem no planeta, mas é a vegetação que controla a circulação de quase metade de toda a chuva que cai sobre a Terra. Assim, pode-se imaginar quais as consequências sobre o clima, de um desmatamento em grande escala. Estudos científicos demonstraram que, se metade da Floresta Amazônica fosse derrubada e reduzida a savanas (tipo de vegetação caracterizado por um estrato baixo, dominado por gramíneas com subarbustos de folhas grandes e duras e outro formado de árvores baixas, retorcidas e afastadas entre si, de cascas grossas e fendidas), as precipitações diminuiriam 30%, alterando todo o clima da Terra.
 
Apesar dos riscos para o clima do planeta, devido às derrubadas das florestas tropicais, desmatamentos têm ocorrido em grandes proporções. Se medidas severas não forem tomadas e tal destruição prosseguir, as alterações climáticas deverão se tornar mais drásticas, trazendo o risco de grandes desastres a um número cada vez maior de pessoas.
 
* Sônia Corina Hess, Engenheira química com pós-doutorado em Química pela Universita Cattolica Del Sacro Cuore Instituto Di Chimica e Chimica Clinica (UCSC) na área de Química dos Produtos Naturais, Itália; pós-doutorado em Química pelo Departamento de Química Orgânica da Universidade de Campinas (Unicamp) na área de síntese orgânica; professora e coordenadora do curso de Engenharia Ambiental da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).
 




« voltar para a página de artigos
A Apoena | Projetos | Artigos | Notícias | Biomas | Atividades | Especiais | Blog | Vídeos | Contato

Copyright © Apoena - Todos os direitos reservados - desenvolvido por:Luz Própria