Antecedentes

00/00/0000


Arquivo


Antecedentes

O aviador Santos Dumont que se impressionou com as cataratas de Iguaçu


Tamanho da fonte: Diminuir Fonte  Aumentar Fonte

As discussões para a preservação dos ecossistemas associados ao rio Paraná datam do século XIX quando, em 1876, André Rebouças propõe o Parque Nacional de Sete Quedas, criado em 1961 mas extinto em 1983.  Em 1939, o governo federal cria o Parque Nacional de Iguaçu cujas cataratas já haviam impressionado personalidades como o colonizador Alvar Nuñes Cabeza de Vaca e o aviador Santos Dumont. A partir de 1995, técnicos, universidades, ong´s, setores produtivos e segmentos governamentais começam a discutir  ações para a implantação de um corredor  de proteção aos remanescentes florestais localizados nas fronteiras do Brasil, Argentina e Paraguai. Trata-se de uma iniciativa trinacional para o Corredor Verde que tem como missão propor ações integradas de gestão, pesquisa para proteção e interconexão dos remanescentes da floresta atlântica ainda existentes nestes três países. Simultaneamente, no Brasil, nas décadas de 1980 e 1990, são criados o parque estadual do Morro do Diabo (antiga reserva), o Parque Estadual das várzeas do Ivinhema e o Parque Estadual do rio Aguapeí, graças ao crescimento da consciência ambiental e à pressão das comunidades locais contra a construção da usina hidrelétrica de Porto Primavera. Em 1997, numa espécie de reparação tardia ao desaparecimento das Sete Quedas pelo lago de Itaipu, é instituído o Parque Nacional de Ilha Grande, um mosaico de ilhas, lagoas e lagos, inserido no último trecho livre do rio Paraná. Em 2002, nascem a Estação Ecológica Mico-Leão-Preto e o Parque Estadual do rio do Peixe, no Pontal do Paranapanema. Em 2007, estão em adiantado estágio de discussão a ampliação do Parque Estadual do rio do Peixe e a criação das RPPNs da fazenda Cisalpina (MS) e rio Aguapeí (SP). No Paraná, o Banco Mundial (Bird) destinou US$ 8 milhões para investimentos nos corredores Araucária, Iguaçu-Paraná e Caiuá-Ilha Grande.

Em janeiro de 2007, a Secretaria de Biodiversidade e Florestas – SBF do Ministério do Meio Ambiente – MMA expede parecer técnico favorável a criação do Corredor Brasileiro do rio Paraná. O parecer é resposta ao documento pela criação do corredor entregue pela Apoena e instituições parceiras à ministra Marina Silva, em visita que fez, quatro meses antes, ao Pontal do Paranapanema.  Em 2009, um consórcio de organizações da sociedade civil - da qual a Apoena faz parte - apresenta o projeto  Ações de Governança Participativa no Corredor de Biodiversidade do rio Paraná – Bioma Mata Atlântica, em análise no Programa Demonstrativo da Mata Atlântica - PDA, do MMA.
 




« voltar para Corredor de Biodiversidade
A Apoena | Projetos | Artigos | Notícias | Biomas | Atividades | Especiais | Blog | Vídeos | Contato

Copyright © Apoena - Todos os direitos reservados - desenvolvido por:Luz Própria